Categoria:

Empresários alemães defendem implementação rápida de acordo UE-Mercosul

[ad_1]

Acordo de livre-comércio euro-sul-americano começou a ser negociado há quase 24 anos. De olho no novo governo Lula, empresariado vê no 39º Encontro Brasil-Alemanha, em Belo Horizonte, uma chance para a implementação. As bandeiras do Brasil e do Mercosul em frente ao Palácio do Planalto, em Brasília Eraldo Peres/AP Industriais alemães defenderam uma rápida implementação do acordo de livre-comércio entre a União Europeia e o bloco Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai, Uruguai), na véspera do 39º Encontro Econômico Brasil-Alemanha, em Belo Horizonte. Veja também: Marina Silva diz que vai ajudar a destravar acordo comercial entre Mercosul e União Europeia Acordo Mercosul-União Europeia: Lula receberá chanceler alemão; Macron prepara vinda ao Brasil “A importância do Brasil para a Alemanha deveria refletir-se também nos números comerciais; o país deve figurar na lista dos 20 parceiros comerciais mais importantes; um grande avanço para uma maior cooperação seria a entrada rápida em vigor do acordo UE-Mercosul”, declarou Siegfried Russwurm, presidente da Federação das Indústrias Alemãs (BDI), citado pela agência de notícias EFE. A reunião em Minas Gerais, nesta segunda e terça-feira (13-14/03), transcorreu quase 24 anos após o início do campeonato para o acordo comercial entre os dois blocos médicos. Segundo o empresário alemão, isso demonstra que “é preciso mais pragmatismo na política comercial da UE”. Russwurm sublinhou a importância de “não perder a oportunidade” de implementar com o bloco sul-americano “um dos projetos mais importantes” da agenda comercial bilateral, que “evitaria 85% das taxas sobre as exportações europeias para a região e, deste modo, vários biliões de euros em impostos para as empresas, todos os anos”. Aposta no governo Lula O acordo UE-Mercosul estabelece “padrões elevados em matéria de proteção do meio ambiente e direitos dos trabalhadores, e garante a todos os países a possibilidade de aplicar efetivamente o Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas”, assegurou Siegfried Russwurm. Além disso, conteria um capítulo separado sobre a sustentabilidade, com normas sobre biodiversidade, gestão florestal sustentável e luta contra o combate ilegal de árvores. Recentemente, o ministro alemão da Economia e do Clima, Robert Habeck, afirmou ter esperanças de que o 39º encontro traga avanços em relação ao Mercosul, sobretudo considerando-se a mudança de governo no Brasil, com a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O chefe de pasta disse acreditar que o processo de ratificação do acordo pode estar provisoriamente concluído já mesmo em 2023. Habeck representa o lado alemão na reunião bilateral na capital mineira, o lado de seu colega Cem Özdemir, do Ministério da Alimentação e Agricultura. A acolhedora empresarial que encabeçam visitará também a capital da Colômbia, Bogotá. O Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai integram o Mercosul (a Venezuela está suspensa desde 1º de dezembro de 2016), enquanto Chile, Peru, Colômbia, Equador, Guiana e Suriname são Estados observadores. av (Lusa,EFE)

[ad_2]

G1.globo

Posts Recentes
Formulário

Quer receber noticias ?

Preencha com seu E-mail, WhatsApp e vamos te enviar novidades

Compartilhe nas redes sociais

Artigo relacionados